Terça, 30 Junho 2020 05:03

    Toadeiros cantam pelo prazer de cantar

    Escrito por
    Avalie este item
    (0 votos)
    Toadeiros cantam pelo prazer de cantar Arquivo pessoal

    Com muita disposição, artistas levam toadas de bumba-meu-boi aos quatro cantos do Estado

    O movimento de quadrilhas ganhou força e transformou-se na mais importante manifestação cultural do Estado de Roraima. Milhares de pessoas passam o ano inteiro sonhando com temas, desenhando figurinos, desenvolvendo coreagrafias, discutindo detalhes do que será mostrado ao grande público durante as festas juninas.

    No vácuo do sucesso das quadrilhas, surgem outras manifestações inspiradas em folguedos do mês de junho. Em Boa Vista, os integrantes da banda Tamurá, que, por seu lado, inspira-se no bumba-meu-boi de Parintins, é exemplo do sucesso que esses movimentos folclóricos conseguem.

    Composta por artistas que têm seus ganhos nas mais diferentes atividades - autônomos, empresários, servidores públicos -, a Tamurá não enfrenta dificuldades financeiras pela ausência de shows imposta pelo coronavírus e respectivas quarentenas.

    Dennis Martins, jornalista, cantor, diz sentir falta dos ensaios e das apresentações, mas comemora o fato de esse tempo no estaleiro não trazer consequências para o bolso. “Já estávamos nos movimentando para participar dos arraiais promovidos pela Prefeitura e pelo Governo do Estado. A covid 19 atrapalha planos, mas nos deixa a certeza de que, quando isso tudo passar, continuaremos fazendo a nossa festa e levando alegria para o grande público que aprecia o nosso estilo.

    Dennis conta que eles mesmos, de vez em quando, produzem e promovem os shows da Tamurá, que sempre atraem grande público. “Também somos contratados para cantar em comemorações, aniversários, casamentos...” - E encerra: “Ainda não cantamos em velórios, mas, se a proposta for boa, o defunto pode contar com a Tamurá”, encerra sorrindo.

    EM DIA DE ENSAIO, A ANIMADA TURMA DA BANDA TAMURÁ PAUSA PARA UM REGISTRO - Da esquerda para a direita: quarta fila, Richardson Menezes; terceira fila, Wagner Eliakim, Paulo Braga, Marília Pinheiro, Júlia Guimarães e Emerson Teixeira; segunda fila, Karisse Blós e Dennis Martins; primeira fila, Cláudio Menezes e Júnior Santos

    Lido 194 vezes
    Aroldo Pinheiro

    Aroldo Pinheiro,  roraimense, comerciante, jornalista formado pela Universidade Federal de Roraima. Três livros publicados: "30 CONTOS DIVERSOS - Causos de nossa gente" (2003), "A MOSCA - Romance de vida e de morte" (2004) e "20 CONTOS INVERSOS E DOIS DEDOS DE PROSA - Causos de nossa gente".

    Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
    Mais nesta categoria: « Num vai ter anarriê?
    © 2015 Your Company. All Rights Reserved. Designed By JoomShaper

    Please publish modules in offcanvas position.