Traficante de amor

    O pai morreu. Como herança, o rapaz recebeu pequeno comércio de miudezas e armarinhos. Logo, Fofão cansou de vender zíperes, botões, colchetes, fitilhos, sianinhas e colibris. Pouco dinheiro, muito pingado. Ele queria mais.

    Descobriu que comprar produtos na cidade venezuelana de Santa Elena de Uairén traria retorno mais rápido. Tornou-se sacoleiro. Capitalizou. Resolveu crescer. Comprou duas picapes Pampa, da Ford, e passou a investir em distribuição de petróleo.

    Cinco vezes por semana, cruzava a fronteira e, na volta, trazia gasolina descaminhada da terra do eterno Hugo Chávez. Riscos de sofrer acidente fatal ou de ser preso pela Polícia Federal levaram-no a abandonar a profissão de importador informal.

    Mas ele gostava de ganhar dinheiro. Se fosse com facilidade e dentro da ilegalidade, melhor ainda. Passou a trazer uísques, vinhos e vasodilatadores do país vizinho. Dava preferência à “ração pra pinto”, pois, em grande quantidade, podia ser acondicionada em pequenos pacotes e os ganhos eram altos. Lucro garantido e risco de ser pego quase zero.

    Em cada viagem, ele trazia centenas de cartelas com milagrosos comprimidos de Viagra e Cialis. Em viagem para repor estoque, Fofão chegou ao balcão da principal farmácia de Santa Elena e, usando portunhol caprichado, pediu:

    - Tienes Viagra y Cialis?

    - Si, señor; quantos? – Respondeu a balconista, brasileira de Uiramutã, na mesma linguagem do empreendedor.

    - Dá-me lo que tienes.

    - Señor, se lleva todos, como fícan los venezolanos? Ele, que não gosta dos hermanos, atacou: “Que se danen. Se ellos todos brochan, no más producirán venezolanitos”.

    Trinta e duas caixas de Cialis;quarenta e sete de Viagra. R$ 1.100 de lucro. “Bom demais”, festejou.

    Na alfândega brasileira, ele deu azar de, por amostragem, ter o veículo revistado. Os homens da lei encontraram os vasodilatadores. Até pensou em oferecer uma propina para os federais. Achou melhor não. “Perco a mercadoria, mas recupero o prejuízo na próxima viagem”, consolou-se.

    No entanto, a coisa não seria tão fácil assim. O chefe da fiscalização resolveu indiciá-lo como contrabandista de medicamentos. Ao ouvir a qualificação, ele aproximou-se da autoridade e, cheio de empáfia, bradou:

    - Contrabandista de medicamentos não. Meu trabalho tem cunho social. Sou um traficante de amor.

    Beijo na Xota
    Beijo grego

    Colunistas

    Menina de rua
    9 post(s)
    Biografia
    Érico Veríssimo
    15 post(s)
    Em construção
    Tia Lyka
    59 post(s)
    Tya Lika
    Eliane Rocha
    0 post(s)
    Eliane Rocha
    Ulisses Moroni
    21 post(s)
    Ulisses Moroni Júnior é promotor de justiça no ...
    Dad Squarisi
    1 post(s)
    Dad ainda não definiu sua briografia
    Aroldo Pinheiro
    62 post(s)
    Aroldo Pinheiro,  roraimense, comerciante, jorn...
    Jaider Esbell
    5 post(s)
    Jaider Esbell veio da terra indígena Raposa Ser...
    Márcio Cotrim
    3 post(s)
    Márcio Cotrim ainda não definiu sua biografia
    Plinio Vicente
    35 post(s)
    Nascido há 71 anos em Nova Europa, região de Ar...
    © 2015 Your Company. All Rights Reserved. Designed By JoomShaper

    Please publish modules in offcanvas position.