Segunda, 03 Dezembro 2018 07:11

    Jubileu - ex-estudantes do GEC se reencontram 50 anos depois

    Escrito por
    Avalie este item
    (0 votos)
    Jubileu - ex-estudantes do GEC se reencontram 50 anos depois Fotomontagem: Aroldo Pinheiro

    Formandos de 1968 fazem festa e botam assuntos em dia durante comemoração

    Voltemos os ponteiros de relógios da vida para os anos 1960, tempo em que EDUCAÇÃO se escrevia com letras maiúsculas, tempo em que filhos respeitavam pais, alunos respeitavam mestres; tempo em que professores tinham prazer de ensinar e estudantes tinham prazer de aprender. Naquele tempo, o Ginásio Euclides da Cunha (GEC) tinha poucas centenas de alunos. A escola era dirigida por padre Mauro Francello, que, apesar de muito querido e amigável, exigia que a disciplina estivesse em primeiro plano. A começar pelo uniforme - calças cáqui para homens, saias grená para mulheres e camisas beje claro para ambos os sexos.

    Sapatos pretos, brilhantes, e meias brancas, eram conferidos no portão. De um por um. Em caso de dúvida, o garoto levantava a barra da calça e, se em desacordo, era privado da aula. Com anotação em caderneta.

    Para manter as linhas do plisssado, num tempo em que Boa Vista só era servida por energia elétrica das 18h às 23h, depois de engomadas, mocinhas dobravam as saias e, cuidadosamente, colocavam-nas sob o colchão da cama.

    Em 1968, quando a evolução cultural iniciada pelos Beatles tomava conta do mundo e a juventude começava, aos poucos, a dar seus gritos de liberdade, os ginasianos também mostravam sua rebeldia. Encerradas as aulas, quando chegavam à avenida Jaime Brasil, rapazes sacavam camisas para fora das calças e mocinhas dobravam os cós das saias, deixando joelhos e pequenas partes das coxas à mostra, chamando a atenção de passantes e paqueras.

    Desfilar pra lá e pra cá, até que o sol se pusesse, por três quarteirões da principal via da capital roraimense, fazia parte do show da saudável juventude de meados do século passado.

    Nesse clima de saudade e comemoração, pouco mais de duas dezenas dos 37 alunos que concluíram o curso ginasial no GEC, em 1968 se reúnem para, durante dois dias - 7 e 8 de dezembro -, dar graças a Deus, botar assuntos em dia e se divertir.

    DE TUBINHO, ao centro, Auricélia Pinheiro recebe colegas de sala para comemorar seu aniversário, em 1968  (Arquivo pessoal)

    Serão 48 horas de programação: missa em ação de graças; reunião com alunos e professores da 9ª série da escola; visita às dependências do GEC; descerramento de placa alusiva ao evento; encontro descontraído em restaurante da cidade; e, para fechar com chave de ouro, jantar de confraternização no salão do Hotel Aipana Plaza.

    Ivonete Liberato, empresária, idealizadora do Jubileu - que já está em sua oitava edição - lamenta que alguns integrantes dessa turma tenham morrido e lamenta mais ainda pelo fato de que outros, deliberadamente, tenham optado por não participar de uma festa que tem tudo para marcar positivamente a vida desses jovens sexagenários.

    Aos ausentes, uma mensagem: quem não for, perdeu muito. À turma de 1969, um aviso: vão esquentando motores, pois a vez de vocês está chegando.

     

    CONTEMPORÂNEOS - a vida social na capital roraimense começava a partir das atividades de ginasianos (Arquivo pessoal)

     

    Ginásio Euclides da Cunha - Formandos de 1968

    Adriano Soares Pereira

    Ana Maria Araújo Lima

    Antônio da Costa Ferreira Lima

    Antônio de Melo Cabral 

    Áurea Amélia M. de Souza Cruz

    Bráz Barros da Silva (falecido)

    Cleonice Teles da Silva 

    Edmilson de Brito Oliva (falecido)

    Élzio Pinho Pereira

    Flacy F. Nascimento (falecida)

    Francisco Canuto Araújo

    Getúlio Alberto de Souza Cruz

    Idalice Batalha Maduro

    Janete Vieira Paiva

    João Fernando Barros Matos (falecido)

    Joaquim Pinto Souto Maior (falecido)

    José Euclides Francisco dos Santos

    José Queiroz da Silva

    Jumbo Mirando Filho (falecido)

    Maria Auricélia Pinheiro

    Maria da Glória Souto Maior Nogueira

    Maria de Jesus Galvão Vieira

    Maria de Nazaré Pereira

    Maria Gardênia Noleto da Silva

    Maria Izanete Liberato da Silva

    Maria José dos Santos Velasco

    Maria Miramar Mesquita

    Maria Perpétua do Socorro Dias Fraxe

    Marleide de Melo Cabral

    Osvaldo Silva Nogueira

    Rosani Dias Cidade (falecida)

    Sebastião Cordeiro de Matos

    Valmir Ribeiro Lago

    Vitor Almeida do Nascimento (falecido)

    Waldemarisa Vieira Gomes

    Wendy Diane Chee-A-Tow

    Zélio Torreias do Nascimento

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    Lido 482 vezes Última modificação em Segunda, 03 Dezembro 2018 10:41
    Aroldo Pinheiro

    Aroldo Pinheiro,  roraimense, comerciante, jornalista formado pela Universidade Federal de Roraima. Três livros publicados: "30 CONTOS DIVERSOS - Causos de nossa gente" (2003), "A MOSCA - Romance de vida e de morte" (2004) e "20 CONTOS INVERSOS E DOIS DEDOS DE PROSA - Causos de nossa gente".

    Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

    Itens relacionados (por tag)

    © 2015 Your Company. All Rights Reserved. Designed By JoomShaper

    Please publish modules in offcanvas position.