Quarta, 03 Março 2021 02:29

    Coisas da vovó

    Escrito por
    Avalie este item
    (2 votos)

    Nossa sobrinha-neta Bianca, recém formada em medicina, era bem pequena quando desenhou a avó, Denize, com traços bem envelhecidos. Minha irmã protestou na hora:

    - Bianca, eu nem tenho 50 anos! Seu desenho está errado.

    A resposta primou pela lógica:

    - Toda vovó é velhinha.

    À época, livros infantis retratavam avós como pessoas bem idosas, muitas vezes com a indefectível bengala para suportar o peso dos anos. Os cabelos brancos eram obrigatórios.   

    O Terceiro Milênio mudou esse conceito. Recursos científicos modernos são responsáveis pelo aumento na longevidade dos avós atuais. Muita bisavó passa longe de bengala; bate o ponto nas academias da vida.

    Vovó Neném, mãe da minha mãe, desde o começo dos anos 1950 estava nesse grupo dos idosos com saúde debilitada. O médico de família determinava dieta pobre em gorduras e açúcares, evitar aborrecimentos, enfim, segurar a onda.

    Entre a ordem médica e a realidade, havia aquela cozinha sempre cheia de comidas convidativas, embora proibidas. Ela e vovô Quintella moravam com meus tios, Arandy e Zita. Havia sempre olhos atentos aos movimentos da dona Neném.

    Mas, tal qual os dribles certeiros do Garrincha, vovó usava e abusava da imagem da inofensiva. Com seu vestido longo, todo abotoado à frente, com dois grandes bolsos nas laterais, movimentava-se sorrateira próximo às panelas. Bobeou, ela beliscava algo fora do cardápio recomendado.

    O gol de placa teve início em casa e terminou no hospital. Era véspera de Natal. Vovó ficou de olho na cozinha, onde as comidas gostosas eram preparadas. Deu aquela voltinha de praxe, saiu de fininho e foi descansar na varanda. Pouco depois, sentiu-se mal. A pressão estava alterada.

    Alguma coisa estava errada. No carro, a caminho do hospital, ela jurava ao tio Arandy ser inocente no quesito estripulias na cozinha. Negou até o fim. Só entregou os pontos quando o médico, depois de examiná-la na emergência, trouxe a prova do crime: vários bolinhos de bacalhau encontrados nos bolsos. Dona Neném era demais...

     

    Lido 361 vezes
    Fernando Quintella

    Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
    © 2015 Your Company. All Rights Reserved. Designed By JoomShaper

    Please publish modules in offcanvas position.