Aroldo Pinheiro

    Aroldo Pinheiro

    Aroldo Pinheiro,  roraimense, comerciante, jornalista formado pela Universidade Federal de Roraima. Três livros publicados: "30 CONTOS DIVERSOS - Causos de nossa gente" (2003), "A MOSCA - Romance de vida e de morte" (2004) e "20 CONTOS INVERSOS E DOIS DEDOS DE PROSA - Causos de nossa gente".

    Sábado, 20 Outubro 2018 15:24

    Alpha Moura - nunca é tarde para a arte

    Aos 90 anos, artista plástica roraimense prova que atividade mental rima com qualidade de vida 

    Comment

    Setembro, 2018: 55 anos de idade, 25 anos de magistratura e 20 anos como juiz federal

    Comment

    A 180 quilômetros de Boa Vista, o lago Caracaranã tem tudo para ser importante polo turístico

    Comment

    Segunda, 17 Setembro 2018 00:48

    É Fim de Noite E-qua-to-ri-al

    Assim, por toda a década de 1980, José Barros anunciava o programa líder no horário pelas ondas da 93.3 – Rádio Equatorial, a primeira emissora FM instalada em Roraima. A abertura era a música Piano. Das 21h às 24h, Zezinho lia poesias, atendia pedidos de ouvintes, caprichava nas músicas românticas, em tempos de tecnologia zero em matéria de internet.

    Com voz profunda e suave, o locutor sensação da noite boa-vistense embalava namoros, ajudava desiludidos a curtir o baixo astral, promovia reencontros ao som de Roberto Carlos, Moacir Franco (amigo do peito), José Augusto e outros do mesmo estilo.

    Dono de invejável discoteca, tratava os LPs com o maior carinho do mundo. Tirava as manhãs de sábado para lavá-los com sabão neutro. Só uns poucos podiam manusear os discos na emissora. Os operadores de som Djavan Esbell, Adir Agran, Miguel, Jeremias Nascimento em início de carreira, já sabiam o tamanho da encrenca se um disco aparecesse arranhado.

    Zezinho recebia artistas no estúdio, onde os entrevistava. Muitas vezes os surpreendia com discos raros. Márcio Greick, ídolo da Jovem Guarda, ficou espantado ao ver o primeiro LP gravado por ele nas mãos do locutor. “Nem eu tenho esse LP, cara!”, disse o cantor. O disco parecia saído da loja.

    Bom mesmo eram as propagandas. Quando batia aquela fome, ele mandava o recado: “A Pizzaria La Mama tem as melhores pizzas de Roraima”. A turma da massa logo providenciava a iguaria italiana, entregue, em pouco tempo, no estúdio. Quentinha. Era impossível emagrecer.

    Ao encontrar artistas no Rio de Janeiro, logo vinha a pergunta: “Como vai o José Barros?” Ficava amigo de quem o visitava. Recebia com generosidade. No final da década, teve o programa retirado do ar sob a promessa de voltar quando o ajuste da nova grade estivesse pronto. Nunca mais voltou. Deixou a marca de uma época, quando a música e a poesia, juntas, faziam melhor as noites roraimenses.

    Sábado, 15 Setembro 2018 04:15

    Carros Antigos movimentam Centro Cívico

    Adultos matam saudade, jovens e crianças conhecem máquinas do passado

    Comment

    Quinta, 13 Setembro 2018 19:16

    Suely foge de “psiu”

    Com salários atrasados há mais de 70 dias, servidores da CERR assediam Suely

    Comment

    Quarta, 12 Setembro 2018 14:51

    Sorriso aberto

    O sorriso aberto de de Flávio “Jumentinha” Mendes é prova da felicidade com a coleção de grau da filhota, Flávia, em Educação Fìsica

    Comment

    Quarta, 12 Setembro 2018 14:43

    Coleção Doce Verão Gall's

    A coleção Doce Verão Gall's é assinada pela roraimense Dany Negreiro

    Comment

    Quarta, 12 Setembro 2018 14:34

    Profissionalismo a toda prova

    Profissionalismo é uma das características de Helga Santos, no salão Mundo das Unhas

    Comment

    Página 3 de 70
    Jornal
    © 2015 Your Company. All Rights Reserved. Designed By JoomShaper

    Please publish modules in offcanvas position.