Sem pressa

     No edifício em que minha mãe mora, em Brasília, vivem muitos idosos. Sob os pilotis, é comum encontrar cabecinhas brancas de 60, 70, 80, 90 anos. Minha mãe acaba de completar 95; acho que ela é a decana do bloco. 

    De repente, a notícia: "Dona Maria do 104 morreu". Minha mãe chamou Célia, uma de minhas irmãs, e pediu-lhe companhia para prestar uma última homenagem à vizinha. 

    Com velório marcado para a partir das 15h do dia seguinte, mamãe teria tempo de ir ao cabeleireiro para arrumar as madeixas: "Sou velha, mas não quero que me achem feia", diz sempre a nonagenária.

    Em Brasília, velórios são conduzidos nas muitas capelas destinadas a essa finalidade dentro do cemitério e é normal que pessoas chorem uns três ou quatro mortos errados até chegarem ao defunto querido.

    Antes de chegar à capela em que o corpo de dona Maria se encontrava, Célia e mamãe passaram por seis velórios diferentes. Com tanta confusão, minha mãe, ficando cansada, já começara a reclamar ante a possibilidade de sair do cemitério sem que a finada "tivesse visto" a presença dela naquela derradeira reunião.

    No endereço correto, o som de um violino trouxe paz ao coração de Neusinha e tranquilidade à alma de Auricélia, que já estava preocupada com as preocupações de sua velhinha.

    Tocada pelas finas notas musicais e vendo um violinista tão alinhado, tão circusnpecto, mamãe segredou ao ouvido de Célia.

    - Tá vendo que coisa linda, minha filha? Pegue o contato desse rapaz e guarde o endereço com você. Quero que ele toque no meu velório...

    A música foi interrompida por algumas orações, alguns cânticos, e o corpo de dona Maria foi levado até seu novo endereço. O padre teceu alguns elogios à defunta que, finalmente, como cantava Teixeirinha, foi "tapada com terra fria".

    Dali, Célia acomodou mamãe no carro e, quando chegaram ao portão do Campo da Saudade, minha irnã, contrariada, freou e comunicou:

    - Ih, mamãe... Temos que voltar. - Por que, minha filha?

    - Esqueci-me de pegar o cartão com o endereço do violinista...

    - Volte não, minha filha. Você pode fazer isso depois. Tenha certeza de que eu não tenho nem um pingo de pressa.
    Não coloque a mãe no meio!

    Colunistas

    Literatura psicodélica - Hudson Romério
    0 post
    Literatura psicodélica - Hudson Romério ainda não definiu sua briografia
    Consulte seu advogado - Alcides Lima
    0 post
    Consulte seu advogado - Alcides Lima ainda não definiu sua briografia
    Querido diário - Diva Gina Peralta
    2 posts
    Querido diário - Diva Gina Peralta ainda não definiu sua briografia
    Fernando Quinttella
    0 post
    Fernando Quinttella ainda não definiu sua briografia
    Menina de rua
    9 posts
    Biografia
    Érico Veríssimo
    15 posts
    Em construção
    Tia Lyka
    59 posts
    Tya Lika
    Ulisses Moroni
    23 posts
    Ulisses Moroni Júnior é promotor de justiça no ...
    Aroldo Pinheiro
    66 posts
    Aroldo Pinheiro,  roraimense, comerciante, jorn...
    Jaider Esbell
    5 posts
    Jaider Esbell veio da terra indígena Raposa Ser...
    Plinio Vicente
    35 posts
    Nascido há 71 anos em Nova Europa, re...
    © 2015 Your Company. All Rights Reserved. Designed By JoomShaper

    Please publish modules in offcanvas position.