O problema estava na cabeça

    Anunciaram-me uma pessoa que desejava reclamar. Tudo normal até aí, a regra era essa. Já o motivo era algo bem diferente: o sujeito queria reclamar de uma loja de motos que, segundo ele, o teria ofendido. Como? Ele foi comprar um capacete, mas disseram que não tinham do tamanho da sua cabeça, sendo recomendado que fizesse um sob encomenda.

    Qualquer pessoa no meu lugar ficaria curioso para ver a pessoa, especificamente sua cabeça. Ao vê-lo, fiz uma análise minuciosa e confesso que senti uma mistura de surpresa e decepção. Sua cabeça era do tamanho da minha! Aliás, sua altura e peso eram bastante similares aos meus. Indaguei-me sobre o que estava acontecendo. Somente ouvindo o reclamante para saber os reais motivos...

    Disse-me que tinha comprado uma moto há uns meses, que foi-lhe entregue com um capacete usado. Numa blitz policial entenderam que o talcapacete tinha defeitos e o apreenderam. Ao comprar um novo, os modelos que encontrava ficavam apertados. Na maior loja da cidade, todos osmodelos que experimentou lhe incomodaram. O gerente sugeriu que ele comprasse um por encomenda na fábrica e, daí, ele se ofendeu e veio fazer a reclamação.

    Como eu já tive moto, senti algo mal-explicado no contexto. Telefonei para a loja e o gerente esclareceu o fato. O capacete que ele usava era danificado, não tinha a espuma protetora interna, apenas a "casca". Ficava mais folgado que um novo, mas não cumpria a função de segurança, tanto que foi apreendido. Mas o consumidor, irritado, não se deixou ouvir.

    Ali comigo ele estava receptivo. Consegui explicar que, no início, um capacete novo dá impressão de apertar a cabeça. Isto justamente por nos proteger. Com o tempo, o equipamento se ajusta ao nosso perfil, da mesma que nos acostumamos ao acessório. Uma questão de insistir. Senti que ele acreditou no que eu disse e retornou àquela mesma loja para negociar. Minutos depois, o gerente me telefonou, dizendo que ele foi lá e comprou um capacete.

    Meses depois, saio de um supermercado e, na rua, indo para o meu carro, uma moto se aproxima. O piloto dá uma acelerada e para. Usava capacete.Achei que fosse um pistoleiro ou assaltante. Ele tira o capacete e coloca novamente na cabeça, várias vezes, e se faz recordar. Disse-me: "Sou aquele cabeção! O senhor tinha razão, era apenas questão de acostumar. Agora uso na cabeça e nem sinto nada." E partiu. Eu nem me lembrava do caso, então recordei. Segui sorrindo, com a grata sensação do dever cumprido, ainda que distante do convencional!

    iAnunciaram-me uma pessoa que desejava reclamar. Tudo normal até aí, a regra era essa. Já o motivo era algo bem diferente: o sujeito queria reclamar de uma loja de motos que, segundo ele, o teria ofendido. Como? Ele foi comprar um capacete, mas disseram que não tinham do tamanho da sua cabeça, sendo recomendado que fizesse um sob encomenda.

    Qualquer pessoa no meu lugar ficaria curioso para ver a pessoa, especificamente sua cabeça. Ao vê-lo, fiz uma análise minuciosa e confesso que senti uma mistura de surpresa e decepção. Sua cabeça era do tamanho da minha! Aliás, sua altura e peso eram bastante similares aos meus. Indaguei-me sobre o que estava acontecendo. Somente ouvindo o reclamante para saber os reais motivos...

    Disse-me que tinha comprado uma moto há uns meses, que foi-lhe entregue com um capacete usado. Numa blitz policial entenderam que o talcapacete tinha defeitos e o apreenderam. Ao comprar um novo, os modelos que encontrava ficavam apertados. Na maior loja da cidade, todos osmodelos que experimentou lhe incomodaram. O gerente sugeriu que ele comprasse um por encomenda na fábrica e, daí, ele se ofendeu e veio fazer a reclamação.

    Como eu já tive moto, senti algo mal-explicado no contexto. Telefonei para a loja e o gerente esclareceu o fato. O capacete que ele usava era danificado, não tinha a espuma protetora interna, apenas a "casca". Ficava mais folgado que um novo, mas não cumpria a função de segurança, tanto que foi apreendido. Mas o consumidor, irritado, não se deixou ouvir.

    Ali comigo ele estava receptivo. Consegui explicar que, no início, um capacete novo dá impressão de apertar a cabeça. Isto justamente por nos proteger. Com o tempo, o equipamento se ajusta ao nosso perfil, da mesma que nos acostumamos ao acessório. Uma questão de insistir. Senti que ele acreditou no que eu disse e retornou àquela mesma loja para negociar. Minutos depois, o gerente me telefonou, dizendo que ele foi lá e comprou um capacete.

    Meses depois, saio de um supermercado e, na rua, indo para o meu carro, uma moto se aproxima. O piloto dá uma acelerada e para. Usava capacete.Achei que fosse um pistoleiro ou assaltante. Ele tira o capacete e coloca novamente na cabeça, várias vezes, e se faz recordar. Disse-me: "Sou aquele cabeção! O senhor tinha razão, era apenas questão de acostumar. Agora uso na cabeça e nem sinto nada." E partiu. Eu nem me lembrava do caso, então recordei. Segui sorrindo, com a grata sensação do dever cumprido, ainda que distante do convencional!

    É preciso jogar no buraco quem o cavou primeiro
    Briga no zoológico

    Colunistas

    Menina de rua
    9 post(s)
    Biografia
    Érico Veríssimo
    15 post(s)
    Em construção
    Tia Lyka
    59 post(s)
    Tya Lika
    Eliane Rocha
    0 post(s)
    Eliane Rocha
    Ulisses Moroni
    21 post(s)
    Ulisses Moroni Júnior é promotor de justiça no ...
    Dad Squarisi
    1 post(s)
    Dad ainda não definiu sua briografia
    Aroldo Pinheiro
    62 post(s)
    Aroldo Pinheiro,  roraimense, comerciante, jorn...
    Jaider Esbell
    5 post(s)
    Jaider Esbell veio da terra indígena Raposa Ser...
    Márcio Cotrim
    3 post(s)
    Márcio Cotrim ainda não definiu sua biografia
    Plinio Vicente
    35 post(s)
    Nascido há 71 anos em Nova Europa, região de Ar...
    © 2015 Your Company. All Rights Reserved. Designed By JoomShaper

    Please publish modules in offcanvas position.