Crônica do Moroni

    Não coloque a mãe no meio!

    Fortes lembrança de minha infância são as caronas nos primeiros anos escolares. Às vezes ia com a mãe de um colega. Outros colegas iam juntos. Era revezamento: às vezes, ela levava; outras, a minha mãe e as dos demais faziam a função. 

    Não sabíamos o nome da mãe de nosso amiguinho. Pelo seu jeito de ser e a forma como tratava o filho, nos referíamos a ela como A FADA. A maneira de falar com o filho, os olhares, os abraços eram coisas de rainha para um príncipe.

    O pai, ao contrário, era a ignorância total. Não deixava o colega jogar futebol, assistir a desenhos animados, entre outras barbaridades. Escondida do pai, era a mãe quem dava esses prazeres ao menino.

    Mudei-me para nova escola. Aquele meu colega também foi estudar lá. Morando em novo endereço, não havia mais "a fada" com ele! Os pais tinham se separado e ele passou a morar na casa da avó paterna. Sei que o pai ficou com a guarda do menino. Como eu era criança, não entendia muito destes assuntos.

    Aquela situação o afetou bastante. Ele tornou-se excessivamente sensível e sem auto-confiança. Os maldosos o chamavam 'Pateta-chorão'.

    Uma vez, estávamos num campo de futebol de várzea e ele chegou. Ali estavam uns elementos que gostavam de importunar os outros. Juntos, se julgavam os donos do pedaço. Não é que, sem qualquer motivo, disseram que não iam deixar nosso amigo jogar. Ele, chorando, cabeça baixa, virou-se para ir embora. Aqueles idiotas ainda tiveram a maldade de falar que "filho-de-puta não joga aqui nunca mais"!

    Num gesto de surpresa, jamais esqueci, o menino virou-se para o campo e gritou: "Não falem da minha mãe. Vocês nem conhecem ela! Mãe ruim deve ser a de vocês, que não os ensinou a respeitar as pessoas. Vou resolver isto agora!"

    Ato contínuo, pegou um pedaço de bambu que estava por ali e partiu para cima dos agressores, batendo onde e como pôde. Cena digna de filmes de kung-fu. Fez todos correrem.

    Se eu, que somente vi, nunca esqueci, imagine os valentões que sentiram "na pele" a "violenta-emoção" daquele garoto que eles chamavam Pateta-Chorão!

    Com a cena, descobri a força do sentimento materno para uma pessoa e a importância do "NÃO COLOQUE A MÃE NO MEIO".

    A avó dele faleceu e, com o o pai, ele se mudou dali. 

    Gostaria de saber como ele está hoje e o que realmente ocorreu com sua mãe. Tomara que eles, mãe e filho, tenham se reencontrado. 

    Sem pressa
    Querido diário 11-05-2019

    Colunistas

    Literatura psicodélica - Hudson Romério
    0 post
    Literatura psicodélica - Hudson Romério ainda não definiu sua briografia
    Consulte seu advogado - Alcides Lima
    0 post
    Consulte seu advogado - Alcides Lima ainda não definiu sua briografia
    Querido diário - Diva Gina Peralta
    2 posts
    Querido diário - Diva Gina Peralta ainda não definiu sua briografia
    Fernando Quinttella
    0 post
    Fernando Quinttella ainda não definiu sua briografia
    Menina de rua
    9 posts
    Biografia
    Érico Veríssimo
    15 posts
    Em construção
    Tia Lyka
    59 posts
    Tya Lika
    Ulisses Moroni
    23 posts
    Ulisses Moroni Júnior é promotor de justiça no ...
    Aroldo Pinheiro
    66 posts
    Aroldo Pinheiro,  roraimense, comerciante, jorn...
    Jaider Esbell
    5 posts
    Jaider Esbell veio da terra indígena Raposa Ser...
    Plinio Vicente
    35 posts
    Nascido há 71 anos em Nova Europa, re...
    © 2015 Your Company. All Rights Reserved. Designed By JoomShaper

    Please publish modules in offcanvas position.