Guardou no farnel do marido uma porção de aaru. Pôs junto uma pena de mutum para lhe dar sorte, pois guardava na alma a angústia de vê-lo partir e o temor de não vê-lo voltar. Era uma longa viagem entre a aldeia e a cidade,

aonde ia para denunciar às autoridades a invasão das terras de seu povo pelos garimpeiros. As pessoas – homens, mulheres e crianças – estavam morrendo junto com a floresta. No meio do dia buscou abrigo numa frondosa copaibeira. Abriu o bornal, sorriu diante do capricho da amada. Ao levar o alimento à boca sentiu o impacto e tombou morto. Jamais deixaram que chegasse ao seu destino e ao ser encontrado ainda trazia entre os dedos a pena de mutum. Aaru (do tupi) - Substantivo masculino – 1. Bras. MT Cul. Espécie de bolo que os nhambiquaras preparam com tatu moqueado, triturado em pilão e misturado com farinha de mandioca.