Menina de rua

    Volta logo, amarelo seboso

    A todo momento me lembro do teu sorriso. Era raro, assim como te ouvir dizer palavras carinhosas. Por isso mesmo, quando se mostravam, meu coração era afagado. Você sempre foi calado, quieto, embora jurasse ser desinibido, engraçado e brincalhão. Passou longe de me mostrar esse lado.

    A meu ver, devia ser guardado somente para aqueles que viviam no teu íntimo. O que eu tinha contigo, sempre soube, era passageiro. Por isso mesmo, vivi cada instante como se fosse o último. Eu te beijava, te abraçava, te cheirava sem parar. Acariciava teus macios e brilhantes cabelos, cujo odor era agradável como cheirar a barriga da minha gatinha de estimação.

    Às vezes, quando você decidia ser o carinhoso da história, meu corpo se enchia de arrepios. “Bebê...”, dizia ao me chamar. Agora, depois de meses, sua voz faz ecos na minha mente e a saudade martela meu coração. As músicas de letras e ritmos nojentos, agora, parecem fazer sentido.

    A todo momento peço para “meu loiro” ser trazido de volta. Bobagem. Nunca fora meu. Entretanto, eu espero, dentro da calmaria possível, pela sua volta. Mesmo não sendo amor nem paixão, meu gostar por ti aperta o peito e faz lágrimas escorrerem dos meus olhos.

    Volta logo, loiro tosco.

    Continuar lendo
    530 Acessos
    Menina de rua

    Tudo enrustido (Parte II)

    Sabe aquele boy magia que reclama para que tu pares de se apaixonar por homens maravilhosos de livros e filmes (ainda que alguns sejam duvidosos, tal qual Edward, o vampiro viado de Crepúsculo)? Ele só queria ser aquele cara. E sabe que jamais atingirá tal patamar – não por falta de poderes especiais ou dinheiro, e sim porque carisma e gentileza se foram. Virtudes assim deixaram lugar para grosseria, frescura e MUITA enrustidez. Como têm medo de sair do armário, preferem nos criticar. Porque homem que gosta de mulher jamais perderá tempo criticando a cor do esmalte e tamanho da unha da parceira, comprimento de seu vestido, amigas com as quais anda e maneira como corta / pinta seu cabelo estão fora de seus ideais. Ainda que, em algum momento, pense em comentar sobre alguns dos itens acima, o fará depois de muito tempo e com bom-humor – e se parceira quiser continuar assim, tudo bem. Em verdade, ele quererá cheirar teus cabelos (curtos ou longos, verdes ou naturais), levantar teu vestido (independentemente do tamanho), ter suas costas arranhadas por tuas unhas e ficar com o bilau manchado com a cor do teu batom. Resumindo: te aceitará da forma que tu és, com tua vaidade e elegância. Então, querida, se o guri começar a criticar teu estilo, pula fora que é cilada! Ele quer passar teu batom também.
    Continuar lendo
    470 Acessos
    Menina de rua

    Tudo enrustido (Parte I)

    Homem que fica com choradeira de “ai, não aceito que me chame assim, não”, que fica de mimimi porque não gosta de mulher falando palavrão ou se comportando de forma tal, tem mais é que assumir a vontade de ter um dedo quente metido no meio do seu grelho gelado. Tudo um bando de enrustido.

    Eu conhecera tanto do viado guardado em cueca que, sinceramente, a paciência se foi. Pense numa porcaria: chegar num restaurante e ficar aguentando o infeliz dizer, o tempo todo, que o cheiro do lugar o “deixa com dor de cabeça”. Pior, se recusa a entrar no ambiente porque é diferente dos seus “costumes”.

    Esses caras morrem em menos de 10 minutos comigo. Primeiro que sou eu quem tenho que ter iniciativa, porque essas porras têm medo de mulher. Aí, quando chego em cima, o bilau cai. Medinho de guria com atitude.

    Esses caras assim geralmente têm só amigAs, pois evitam contato com outros homens porque os acham muito “errados”. Detestam esportes e julgam que mulher que fica com um aqui e outro ali é “puta”. Pensam que gostar de sexo é vulgar. Gostam de ficar somente em casa vendo filminho; pensam que namoro é só isso. E isso tudo independe de religião ou família. Eles são, apenas, idiotas.

    Recomendação: mantenha anos luz de distância dessas pragas. Eles querem a mesma fruta que você.

    Continuar lendo
    487 Acessos
    Menina de rua

    Fracote

    Tia Lyka ensina que homem que é homem sabe trepar. No mínimo, gosta da coisa, sem  reclamações, sem críticas. Negócio é simples, só chegar com jeitinho e comer. 

    Problema é que isso passa a anos luz de jovens como o Fracote.

    Ele é bem lindo. Alto, cheiroso, branco, cabelo macio. E tudo isso entra em contraste  com uma personalidade pautada em personagens heroicos inexistentes, armas de games futuristas, mulheres perfeitas e obedientes, memes imbecis e idiotice gratuita de juventude burra.

    Garotinhos assim só se dão bem com garotinhas, as quais pensam que animes são a melhor coisa do mundo e filmes de terror tornam pessoas mais “cool”. Com elas é fácil agradar; sexo é coisa de boneca para essas gurias.

    Em verdade, na hora de lidar com uma moça um pouco mais cabeça, que já passou por mil e uma tretas, guris assim broxam.

    O Fracote não deu conta do recado; sequer entendeu a mensagem. Ali dizia: “só aceitamos serviço bem feito”. Moleque assim, com cabeça de nerd, mundo girando ao redor de “gueime ófi trônis” só dá merda. Nem beijar, ao menos, sabem – alô-ô, cadê a língua aí?!

    Pena. Todos bem bonitos. Mas fracassos. Pior ainda é ter que ouvir as desculpas que dão depois. Só que eu perdoei, porque, bom, não é todo ser do sexo oposto que lida  bem com mulher que vê o mundo além de besteiras como séries e playstations.

    Lição final: nerdzinho é inservível.

    Continuar lendo
    474 Acessos
    Menina de rua

    As Escadas da Liberdade

    Era 22 de julho de 2000 e pouco. Ali estavam dois adolescentes idiotas, sentadinhos nas escadas do bairro Liberdade, área japa de São Paulo. Entre pockys meio amargos, beijinhos. Vinte e cinco segundos, no total. Tão tímidos quanto bobos. Os degraus davam espaço para gestos de carinho.

    Doze meses depois, outro beijo. E quebra pau. Assim, 1.080 dias sem se falar. A briga, ocorrida por pífios motivos, teve consequências tão dramáticas quanto a morte de Wizardmon para proteger Hikari e Tailmon. Meu imbecil foi, então, tratar de mostrar seu pior lado para mim sempre que possível. Arrogante, grosso, estúpido e frio. Em paralelo, eu sofria num inferno construído por um miserável.

    Perdi meu jeito de ser, por três anos. E quem me resgatou, 1.080 dias depois, foi o próprio Devimon, travestido de Angemon. Estendeu-me a mão e disse-me: “A garota que eu conhecia jogaria Digimon comigo. Não aceitaria esse tipo de tortura”. Foi uma ilusão ou resgate inconsciente de seu espírito para ajudar sua ex-amiga? Fato é: estou em pé até hoje. Se escorregar, meu querido Digimon estará perto de mim.

    Seu sorriso e ambígua personalidade protegem-me do medo que sinto, ainda, daquele agressor. E percebi que nada mais nos afastará. Pois, há quatro vidas, estamos juntos. A bruxa e o feiticeiro, a flor e o demônio mascarado de anjo. Tão inseparáveis quanto os degraus das escadas que nos conduziram à mais pura liberdade de amar sem medos.

    Continuar lendo
    487 Acessos
    Menina de rua

    As mais belas lágrimas

    Snorlax foi o maior mentiroso que conheci, cuja pegada ensinou-me a gostar de trepar. Até então, sexo para mim era apenas frustração. Pena. Aqueles sete meses ocorreram paralelamente com ele dividindo sua atenção com uma, pasmem, namorada secreta.

    Certo dia, vi outro lado daquele Pokémon. Era seu aniversário. Mesmo já sabendo de tudo, comprei-lhe uma penca de presentes, com direito a um pudim feito só para ele. Minha única intenção era ver seu, ainda que triste, sorriso. Por alguns minutos, até consegui. Depois, tornou-se em vão. A saudade de seu herói bateu forte – o pai havia morrido quando ele tinha apenas 17 anos.

    Snorlax, segurando um dos presentes que lhe trouxe memórias pesadas, começou a chorar na minha frente. “Eu nunca mais tinha ganhado presentes, desde que meu pai morreu... Por que ele me deixou? ”, lamentava. As lágrimas escorriam sem parar. As bochechas pálidas deram lugar ao rubi; os olhos, sempre tão vazios, brilharam como os de um anjo com asas machucadas; a voz, por vezes grossa e autoritária, tornou-se frágil e rouca. Finalmente, vi a verdadeira face de Snorlax.

    Snorlax revelou-me o paradoxal, existente somente naquele rosto: ele ficava gracioso ao chorar. Talvez porque fossem gotas de amor puro, de saudade sincera; de lembranças apertadas em seu coração. Foi lembrando-me disso que lhe perdoei de todas as suas mentiras. Por ele ficou um sentimento indestrutível: carinho. Pois sei que aquele Pokémon safado é só uma máscara.

    Meu verdadeiro Snorlax existe ali. Tão belo quanto frágil

    Continuar lendo
    460 Acessos
    Menina de rua

    Beijo com sabor de Ocarina do Tempo

    Tenho facilidade para guardar datas marcantes no meu viver. Aquele 19 de julho de 2000 e pouco foi, certamente, o mais inesquecível até hoje para mim. Lembro-me facilmente de tudo, na ponta da língua. Demais dias, eu demoro um pouco para afirmar dados com precisão.

    Era o último dia do grande evento de cultura japonesa feito em São Paulo. Ali estava eu, afastada de minhas colegas, porque sempre detestei conversar sobre sapatos e outras futilidades.

    Sozinha, caminhei e muito observei aqueles cosplayers. Vinha-me a certeza de que minha fajuta roupa de Wakko Warner jamais deveria, sequer, ter sido pensada. Repentinamente, à minha frente, estava aquele lindíssimo rapaz. Utilizava o verde gorro de Link. Mais: tinha as feições assimetricamente semelhantes às do personagem em Twilight Princess.

    Eu, nem de perto tão linda quanto hoje sou (modéstia à parte), me aproximei dele e puxei assunto mesmo assim. A vergonha escorria pelo meu nariz – graças a deus, tenho hábito de andar com paninhos nas bolsas. Para esse tipo de situação, mesmo. Tentei falar sobre quaisquer besteiras possíveis. “Aqui só tem idiotas. Impossível que eu termine por falar merda”, convencia-me, mentalmente. Obviamente inclusos no ciclo de patetas, as palavras fluíram e, finalmente, o beijo.

    É. Há alguns anos, nas nossas adolescências, o “ficar” significava apenas “dar uns beijinhos a mais, por algumas horas, com a mesma pessoa”. E era suficientemente divertido e prazeroso. Se vocês jovens também aprendessem os benefícios de beijar com vontade, evitariam o desprazer de se tornar papai e mamãe tão cedo.

    Seu beijo era tão gostoso quanto zerar Ocarina of Time sem detonados. Naquela época inexistiam aplicativos de conversas instantâneas além do MSN, e sequer peguei seu e-mail. Entretanto, a vida reserva tretas infinitas para quem é cabaço. Acabamos nos tombando na internet e nos vimos por outros anos – bastava eu pisar naquela bipolar cidade.

    E todas as vezes foram fantásticas. Terminávamos sempre virgens, por receio típico da juventude. Lamentável, pois hoje em dia olhamos para trás e ambos nos arrependemos de ter perdido a grande chance, na última vez em que ficamos, em 2 de julho de 2000 e bolinha. O que teríamos a perder, senão pequena parte de nossas inocências?

    Atualmente, ele namora uma guria a qual tentou, inclusive, me adicionar nas redes sociais tão logo soube de nossa amizade – recusada, querida, recusadíssima. E eu estou enrolada com meu tosco. Conversamos com frequência e lembramo-nos de tudo com sorrisos.

    Faz pouco tempo. As doces lembranças isolam-se em desejos reprimidos. A vida segue. E as oportunidades que passam, aprendi, jamais voltam.

    Continuar lendo
    445 Acessos
    Menina de rua

    Meu tosco favorito

    O tosco é meu favorito. Mulher é assim, terrível, mesmo. Garante desgostar, ao passo que se sente completa com a esquisitice (até certo ponto) do outro.

    Meu tosco voltou. Depois de longas semanas em que me calei e o ignorei totalmente, ele retornou com singelo abraço. Mais tarde, com sua sinceridade agraciada pelas virtudes virginianas, levou-me a um lindo lugar, o qual eu totalmente desconhecia. Estávamos sob a luz do luar.

    O ambiente era aberto, com serenatas tocadas por cigarras, sapos e quaisquer outros bichos que emitissem sons para acasalamento, presentes na fauna local – se pá, até jararacas. Ventava muito. As estrelas brilhavam forte e seria insano contá-las. “Hoje o céu está tão estrelado”, ele sussurrou, enquanto me abraçava. Em meus 20 e poucos anos de vida, jamais imaginei que houvesse homens os quais ainda apreciassem ficar ao lado da parceira enquanto observassem a beleza da natureza.

    Por longos minutos, nada dissemos. Ficamos apenas olhando aquele céu, ouvindo os grilos cantarem o mais belo “cri, cri, cri” da noite. Os ventos consigo traziam a esperança de que Boa Vista seria, ao menos por alguns momentos, uma capital fria de doer os ossos (levando em consideração que somos dois magrelos). Então, iniciou-se o inesperado espetáculo: vagalumes, talvez levados pelos instintos apaixonados, começaram a acender suas bundas na nossa frente.

    Eram muitos. Piscavam como se fossem bailarinos, ao som dos coaxos com back vocals grilídeos.  Nos braços daquele rapaz alto, magrelo, branquelo, dos olhos e cabelos claros e eterna expressão de mau-humor, senti-me no paraíso. Nada havia ali, senão sentimentos disfarçados de silêncio e calma respiração.

    Naquela noite, o capô do meu carro terminou amassado, por óbvios motivos. E passou despercebido por nós dois. Até que, exatamente uma semana depois, meu querido papai percebeu aquele estranho abatatado e mostrou-me, confuso: “Filha, já percebeu isto aqui? Como que conseguiste essa façanha, hein? ”. Olhei, abaixei a cabeça e tranquei-me no meu quarto. Ri por mais de meia hora.

    Ah, tosco. Meu tosco favorito. Peça-me em namoro logo. Afaste teu medo de se apaixonar por mim...

    Sou boazinha, parei de morder... com força.

    Continuar lendo
    502 Acessos
    Menina de rua

    Tosco

    Vou inaugurar meu espaço neste jornaleco contando minha aventura mais recente – e curta.

    Sempre me avisaram que o guri era gente boa, meio doido e bom de cama. Fiquei secando a pimenteira (discretamente) até que, finalmente, o bicho abriu trela para ficarmos juntinhos em sua casa.

    Por lá, depois de muita enrolação, rolaram uns beijos, muito bons por sinal. E ficou só nisso. Hoje em dia, vocês sabem que o pacote tem que ser completo, não é? Gasolina está cara demais para ir do céu até o inferno, só para voltar com a sensação de purgatório na pepeca. E o diacho sumiu. Desapareceu. Mágica, sem feitiços de minha parte.

    Meses depois, ele voltou como gato fugido de casa: cara de inocente. E aí, me chamou para ficar com ele de novo. Mas dessa vez, ah, dessa vez rolou, sim. Meia boca, infelizmente. Fraco demais para um patrimônio tão grande. Eu percebia que o guri era esquisito. Caladão, respondia mensagens de maneira peculiar e tinha comportamentos meio grosseiros.

    Só que engoli isso tudo depois da segunda vez. Pois é, rolou a segundona. Foi tão bom que marquei na minha agenda. Viajei, esqueci-me dos problemas. Teria sido ótimo ter filmado para, de repente, cair nas mãos de um otário que conheci. Doer-se-ia. Eu riria. Bom, ficou gravado apenas em memória.

    Tudo isso para, depois, a praga sumir de novo. Fiquei na minha, sequer corri atrás. Confesso ter perdido, porém, horas para tentar compreender por que ele agira daquele jeito. Até que aceitei, a contragosto, o que um colega me disse: “O cara te leva na casa dele, te beija e fica só nisso para depois sumir? Véi, ele é um TOSCO”.

    E, até hoje, o colega refere-se a esse guri como “Tosco”. Eu também. Mamãe idem. No desfecho, só para constar, dei-lhe um fora, esclarecendo-lhe que a praga era peculiar e esquisita demais para mim.

    Texto curto. A resposta foi, no entanto, de quem sequer leu o primeiro parágrafo e repetiu tudo que eu já havia falado. Só que quem deu o pé na bunda dele fui eu. Sou inocente, se você é incapaz de interpretar uma mensagem de zap-zap. E agir de maneira mais educada.

    Mas o tosco serviu de aprendizado.

    Continuar lendo
    464 Acessos

    Colunistas

    Menina de rua
    9 post(s)
    Biografia
    Érico Veríssimo
    15 post(s)
    Em construção
    Tia Lyka
    59 post(s)
    Tya Lika
    Eliane Rocha
    0 post(s)
    Eliane Rocha
    Ulisses Moroni
    21 post(s)
    Ulisses Moroni Júnior é promotor de justiça no ...
    Dad Squarisi
    1 post(s)
    Dad ainda não definiu sua briografia
    Aroldo Pinheiro
    62 post(s)
    Aroldo Pinheiro,  roraimense, comerciante, jorn...
    Jaider Esbell
    5 post(s)
    Jaider Esbell veio da terra indígena Raposa Ser...
    Márcio Cotrim
    3 post(s)
    Márcio Cotrim ainda não definiu sua biografia
    Plinio Vicente
    35 post(s)
    Nascido há 71 anos em Nova Europa, região de Ar...
    © 2015 Your Company. All Rights Reserved. Designed By JoomShaper

    Please publish modules in offcanvas position.