Menina de rua

Beijo com sabor de Ocarina do Tempo

Tenho facilidade para guardar datas marcantes no meu viver. Aquele 19 de julho de 2000 e pouco foi, certamente, o mais inesquecível até hoje para mim. Lembro-me facilmente de tudo, na ponta da língua. Demais dias, eu demoro um pouco para afirmar dados com precisão.

Era o último dia do grande evento de cultura japonesa feito em São Paulo. Ali estava eu, afastada de minhas colegas, porque sempre detestei conversar sobre sapatos e outras futilidades.

Sozinha, caminhei e muito observei aqueles cosplayers. Vinha-me a certeza de que minha fajuta roupa de Wakko Warner jamais deveria, sequer, ter sido pensada. Repentinamente, à minha frente, estava aquele lindíssimo rapaz. Utilizava o verde gorro de Link. Mais: tinha as feições assimetricamente semelhantes às do personagem em Twilight Princess.

Eu, nem de perto tão linda quanto hoje sou (modéstia à parte), me aproximei dele e puxei assunto mesmo assim. A vergonha escorria pelo meu nariz – graças a deus, tenho hábito de andar com paninhos nas bolsas. Para esse tipo de situação, mesmo. Tentei falar sobre quaisquer besteiras possíveis. “Aqui só tem idiotas. Impossível que eu termine por falar merda”, convencia-me, mentalmente. Obviamente inclusos no ciclo de patetas, as palavras fluíram e, finalmente, o beijo.

É. Há alguns anos, nas nossas adolescências, o “ficar” significava apenas “dar uns beijinhos a mais, por algumas horas, com a mesma pessoa”. E era suficientemente divertido e prazeroso. Se vocês jovens também aprendessem os benefícios de beijar com vontade, evitariam o desprazer de se tornar papai e mamãe tão cedo.

Seu beijo era tão gostoso quanto zerar Ocarina of Time sem detonados. Naquela época inexistiam aplicativos de conversas instantâneas além do MSN, e sequer peguei seu e-mail. Entretanto, a vida reserva tretas infinitas para quem é cabaço. Acabamos nos tombando na internet e nos vimos por outros anos – bastava eu pisar naquela bipolar cidade.

E todas as vezes foram fantásticas. Terminávamos sempre virgens, por receio típico da juventude. Lamentável, pois hoje em dia olhamos para trás e ambos nos arrependemos de ter perdido a grande chance, na última vez em que ficamos, em 2 de julho de 2000 e bolinha. O que teríamos a perder, senão pequena parte de nossas inocências?

Atualmente, ele namora uma guria a qual tentou, inclusive, me adicionar nas redes sociais tão logo soube de nossa amizade – recusada, querida, recusadíssima. E eu estou enrolada com meu tosco. Conversamos com frequência e lembramo-nos de tudo com sorrisos.

Faz pouco tempo. As doces lembranças isolam-se em desejos reprimidos. A vida segue. E as oportunidades que passam, aprendi, jamais voltam.

Continuar lendo
385 Acessos
Top