Os novos bodes expiatórios de um sistema falido

O governo estadual há muito tempo já está no buraco. A situação da Pê-á é a representação máxima de uma administração que se perde em números e nas mais comezinhas informações. Ilustra, de forma inconteste, a falta de clareza e transparência que permearam os quase quatro anos de Suely no comando do Estado.

A fuga anunciada de quase uma centena de presos poderia ser mais um duro golpe no governo da pepista, não fosse ela alvo constante das mais diversas críticas aos mais variados erros de sua administração, portanto, acostumada a levar porrada de todos os lados. Vale lembrar que eles fugiram por um túnel descoberto uma semana antes da ousada empreitada. Ele deveria ter sido fechado, mas, na mais absoluta imprevidência, não o foi.

O sistema penitenciário é uma incógnita, assim como o é o governo de Suely. Não se sabe ao certo quantos presos há na Pê-á, quantos fugiram no dia 19 de janeiro, nem quantos, que deveriam estar encarcerados, estão por aí perambulando pelas ruas. O desencontro de informações pôde ser constatado nas declarações da Secretaria de Justiça que, no dia da fuga, em três ocasiões diferentes, informou números de fugitivos que variavam de 6 a 95, mesmo que policiais e agentes, sob sigilo, afirmem que eles, os fujões, ultrapassem os 200.

Outro fato emblemático envolve a morte de um detento três dias após a fuga em massa e uma hora após ele dar entrada no presídio, logo depois de ter passado por uma audiência de custódia. A primeira informação da Sejuc foi a de que ele estava em uma sala de contenção com 11 presos que seriam investigados como suspeitos de tê-lo assassinado, ressaltando que essa execução nada tinha a ver com a debandada de sexta-feira.

No dia seguinte, a própria secretaria informou que na tal sala havia 25 presidiários que estavam lá para prestar esclarecimentos sobre a fuga e deveriam depor, também, sobre a morte de Kayke Braga da Rocha. E tudo isso em meio à tentativa de atribuir aos agentes da Força Nacional a culpa pela fuga em massa. Se o mesmo acontecer com os homens da Força-Tarefa de Intervenção Penitenciária que deverão vir para o Estado, não será surpresa. Eles serão apenas os novos bodes expiatórios de um sistema falido. 

O desconvidado
Morto é morto
Top