Buraco pequeno pra pau grande

Meninos e meninas, 

Quando será que esses bandidos vão parar de fuder o Brasil? Com tanta rola entrando, o buraco dessa Nação não para de aumentar. Mas, por falar em buraco aumentando, vamos tentar resolver o problema enfrentado por Keyla. 

Tia Lyka, 

Casei-me e cedo desenganei-me com o companheiro. Além de ter uma merreca de pinto, meu marido não gostava de usá-lo. Não deu: nos separamos. Casei-me de novo. Desta vez, além de ter uma rola enooooorme, meu marido quer sexo de manhã, de tarde e à noite. Às vezes, mais de uma vez num desses turnos. Confesso que, em vez de prazer, tenho sofrimento, pois aquela picona me machuca muito. Quando dá, eu invento desculpa e fujo. O que faço para que ele me entenda e não se ofenda ao saber a verdade? 

Keyla, 

O seu problema seria a felicidade de muitas mulheres. Mas... Minha madrinha enfrentava situação parecida com a sua. Mirrada, ela tinha bucetinha pequena e sofria quando meu padrinho ia comê-la.

Depois da segunda gravidez, Dindinha propôs ao marido que ele procurasse se satisfizer na rua. Com qualquer uma. Havia uma condição: aquele cacete nunca deveria ser usado com nenhuma das amigas dela nem com nenhuma das mulheres da família. 

Eles respeitaram esse acordo até o dia em que ele morreu. Ah, quando queria gozar, Dindinha o convidava para fazerem sexo – desde que ele não viesse com história de enfiar o pirocãozão na boca da coitada. Ela contava, rindo, que tinha medo de morrer com falta de ar. 

Taí, que tal essa solução? Se achar muito radical, converse com o maridão e cheguem a um acordo. 

Fui! 

Sexo na hora errada
Custo X Benefício provado, saiam
Top