Nascido há 71 anos em Nova Europa, região de Araraquara, mas criado em Ribeirão Preto, no então distrito de Guatapará, o jornalista Plínio Vicente da Silva ainda convive com os danos provocados pela pólio.

Profissional com passagem por vários veículos (rádio e jornal), entre eles O Estado de São Paulo, começou a carreira em Ribeirão. Sua primeira experiência foi como estagiário em O Diário, responsável pelo fechamento da coluna “Lupa e Capote”, onde publicava um resumo das ocorrências policiais da noite.

Plinio Vicente

Mendigos, milionários

Juquinha era flanelinha e vivia num muquifo. Em outro morava Rosinha, que fazia bolinhos de chuva e saia vendendo pelos sinais. Sempre repartia com ela o que conseguia a mais. Mas nunca passou disso. Eram tão pobres que não dava para levar uma vida melhor, a não ser sonhar. Depois de uma manhã de boas gorjetas, convidou a companheira de infortúnios e decidiu levá-la para almoçar num restaurante. Não conseguiram, foram barrados na porta. Motivo: roupas mal trajadas. Comeram bolinhos de chuva. Ao passar na frente de uma casa lotérica, Juquinha entrou e jogou na mega sena. Ganhou sozinho. O nacibo mudou sua vida e a de Rosinha. Comprou o restaurante e fez dela sua mulher e a chefe da cozinha. 

Nacibo - [Do ár. na,Cb, ‘porção’, ‘lote’; ‘fortuna’, ‘sorte’.] - Substantivo masculino - 1.Sorte, fortuna.

Continuar lendo
411 Acessos
Plinio Vicente

Loirinho e a puta Ritinha

Loirinho, piloto, feinho, voava para o garimpo levando de tudo: comida, combustível, putas e principalmente garimpeiros. Sua base era a pista do Paapiú, mas fazia muitas pernas, o que lhe tomava quase todo o dia. Saia com o raiar do sol e voltava quando ele se punha, cansado, sem ânimo para nada, a não ser o banho, janta e cama. Sentia falta de mulher, só que não tinha tempo para ir até o puteiro. Um dia, levando Ritinha ‘boca de ouro’, no meio do voo arriscou uma cantada. Ela topou. Acertou preço e horário, só não o lugar. Para não perder a transa, assim que aterrissou foi ali mesmo, na nacela. Depois das pernas de Ritinha, foi cuidar das outras, de pista em pista, feliz, floresta afora...

Nacela2 - [Do fr. nacelle.] - Substantivo feminino - Espaço da fuselagem ou cabina dos aviões pequenos destinado ao piloto, à tripulação ou, eventualmente, a passageiros.

Continuar lendo
488 Acessos
Plinio Vicente

Poesia e despudor

Napoleão era bom de escrita. Letra bonita, caprichada, sonhava ser jornalista, mas Juraci, dono do hebdomadário de Serra Branca, onde morava, não ia muito com a cara dele. O considerava inteligente demais para seu gosto. Na verdade, era pura inveja e ciúme, medo de ver alguém melhor que ele no arranjo das letras. Certo dia Jura recebeu uma colaboração anônima, pequena crônica falando das belezas das moçoilas serra-branquenses. Espantou-se com o texto bem escrito, as palavras elegantes, poesia temperando as linhas. Assuntou, desconfiou e antes de publicar, quis saber do autor. Não publicou e ao ser questionado do porquê, apenas respondeu: “É um labéu que despudora a pureza de nossas virgens”.

Labéu - [De or. obscura.] - Substantivo masculino - 1.Nota infame ou infamante; 2.Mancha na reputação; desdouro, desonra.

Continuar lendo
420 Acessos
Plinio Vicente

O doutor

Figura labróstica, vestia sempre as mesmas roupas. Barba espessa e os cabelos desgrenhados, as crianças tinham medo do fantasma ambulante quando ele aparecia na vila. Não lhe davam conversa, nem sequer bom dia, boa tarde ou boa noite. Certa vez, quando chegava à venda pra comprar o básico da semana,

Continuar lendo
424 Acessos
Plinio Vicente

O amor revelado aos berros

Ele sempre foi um sujeito tranquilo. Tinha a capacidade de afastar todo tipo de agressão, fosse ela ao seu corpo ou à sua mente. Mas já lá pelos 18 anos, descobriu um outro eu que existia dentro de si. Tudo porque, paixão secreta pela moreninha colega de faculdade, não conseguiu impedir que um acesso de fúria se transformasse numa reação quase incontrolável.

Continuar lendo
418 Acessos
Plinio Vicente

A santa que venceu a morte

Quem a vê, um pingo de gente, não imagina a guerreira que habita em sua’lma. Essa têmpera ela forjou ainda no ventre da mãe, menina de aldeia que, levada pela paixão descontrolada,

Continuar lendo
420 Acessos
Plinio Vicente

O amor pisando em brasas

Quinzinho, roceiro aquietado, tinha uma fraqueza. Ritinha acendia nele a chama da paixão. Certa noite, quadra de São João, a encontrou na festa da fazenda. Graciosa, bonita, conseguia despertar em sua alma quase uma obsessão. Lá pelas tantas, fogueira queimada,

Continuar lendo
412 Acessos
Plinio Vicente

A mãe do valentão

Seu Leôncio, oitenta e tantos anos, sorvia calmamente uma dose de cagibrina, chapéu na cabeça. Terêncio, façanheiro desrespeitoso, passou e junto com um “eu sou é macho!” deu-lhe um tapa que fez voar o chapéu do ancião. Seu Leôncio levantou-se, pegou calmamente o chapéu, ajeitou-o e continuou nos goles compassados da bebida. Terêncio passou de novo e repetiu o tapa no meio do “eu sou é macho!”. Leôncio foi lá e com a mesma calma apanhou o chapéu. Quando Terêncio veio pela terceira vez o velhinho lhe perguntou: “Por acaso vossa
graça é filho de dona Mariquinha?”. O valentão brecou os passos e respondeu: “Sou, sim. Por quê?”. Seu Leôncio foi curto e grosso: “Tracei muito a senhora sua mãe...” Façanheiro - [De façanha + -eiro.] – Adjetivo - Substantivo masculino - 1.Que ou aquele que alardeia façanhas; gabola, bazófio, valentão.

Continuar lendo
432 Acessos
Plinio Vicente

A donzela e o despacho

Passava pela mesma calçada e parava sob a mesma janela na esperança de que ela se debruçasse no umbral e lhe desse um sorriso. Nada, pois mesmo quando já estava enfeitando o batente com sua beleza, fazendo dele uma tela de pintura, bastava vê-lo para sumir.

Continuar lendo
405 Acessos
Plinio Vicente

O baio do capitão

Os donos traziam seus animais e nos fins de semana o local se transformava numa grande feira. Totonho era quem cuidava dos bichos. A maioria dos cavalos era da raça manga-larga. Chegando de viagem, capitão Juca Barros apartou um da tropa, o baio com uma marca, façalvo que o distinguia dos demais,

Continuar lendo
420 Acessos
Plinio Vicente

A dama era de araque

Tonico tinha fama de bom fabro. Mas certo dia descobriu que beleza e mecânica não se misturam. Foi assim. A dona parou o carrão na sua oficina, desceu elegante e majestosa e perguntou-lhe se podia ver o motor estava esquentando tanto. Enquanto ela se refrescava na vasca de água de poço ao lado

Continuar lendo
404 Acessos
Plinio Vicente

A quenga do coronel

Betinho, músico sem carreira, fazia biscates para sobreviver. Certo dia recebeu uma proposta que mudou sua vida. Recebeu proposta para ensinar a quenga de um poderoso que queira ser cantora profissional. A moça veio, ele se encheu de olhos por ela e topou. Por dos motivos: a grana era boa e a dona um pitéu.

Continuar lendo
417 Acessos
Plinio Vicente

Detetive das antigas

Terêncio era servidor exemplar, desses para quem o trabalho é uma religião. Não estudara, mas por ser tão dedicado e por ter comprovada experiência, foi nomeado para o IEDIC

Continuar lendo
379 Acessos
Plinio Vicente

Aninha e o príncipe encantado

Aninha, tão linda, despertava paixão nos jovens de sua aldeia. Muitas vezes, o sentimento por ela os levava a tentativas de conquista.

Continuar lendo
455 Acessos
Plinio Vicente

A besta do Suapi

O Suapi fora tomado por um enorme vazio desde que seu Levindo se fora. Todos, no vale do Cotingo, sentiam falta daquele fizera um garimpo ser conhecido Brasil afora como o seio dos

Continuar lendo
479 Acessos
Plinio Vicente

O baiano e a boneca

Zelão viera da Bahia trabalhar na construção da BR-174 e com ele, outros da boa terra. Unidos pelas origens, tinham os mesmos hábitos de alimentação, música e religião:

Continuar lendo
396 Acessos
Plinio Vicente

A fúria da natureza

Jamais vira a natureza se manifestar de maneira tão furiosa. Foram dias e dias, mais de mês, de tempestades que pareciam querer engolir tudo naquele fim de mundo.

Continuar lendo
451 Acessos
Plinio Vicente

O doce sabor da selva

Aprender com os índios a sabedoria da vida fez com que Antônio acabasse adotando os costumes da aldeia. Incorporou no seu dia-a-dia valores morais e espirituais e a

Continuar lendo
400 Acessos
Plinio Vicente

Anjos-da-guarda

Aristeu garimpou Amazônia afora, bamburrou e blefou, gastando o ganho com mulher e cachaça. Perdia as amantes por não conseguia se livrar da manguaça.

Continuar lendo
401 Acessos
Plinio Vicente

A pedra sagrada

Mamede nasceu nas margens do rio Purus. Filho de árabes, ficou órfão e foi criado por família cristã, que o adotou para não deixá-lo no abandono.

Continuar lendo
390 Acessos
Plinio Vicente

O peão e o valentão

Manezinho era peão dos bons, amansava burro xucro e fazia dele carneirinho. Certa vez o patrão o mandou ir examinar um rebanho que queria comprar.

Continuar lendo
428 Acessos
Plinio Vicente

As babas de João de Deus

Ainda criança ele descobriu que seria vítima de muitas babas vida afora, como a babugem que lhe escorria pela boca; ou a baba das vacas que ordenhava a mando do pai.

Continuar lendo
405 Acessos
Plinio Vicente

Milagre no Maruai

Quando o avião tocou o solo, evitando a ruma de cupinzeiros que infestam o lavrado roraimense,

Continuar lendo
418 Acessos
Plinio Vicente

O cananeu e o galileu

As notícias se espalhavam, falando dos milagres creditados a um desconhecido rabi da Galileia. Pastores tocando seus rebanhos nas montanhas;

Continuar lendo
407 Acessos
Plinio Vicente

O espírito do mal

Encontrou toda a comunidade abalada com o que ocorrera na noite anterior, quando o velho tuxaua, agindo de forma tresloucada, pôs fim à sua vida. Percebeu que, enquanto o corpo era preparado para o ritual de despedida, uma profunda tristeza passeava pelas veredas da aldeia.

Continuar lendo
355 Acessos
Plinio Vicente

Amor na selva

Quando pôs os pés na aldeia sentiu o ambiente um tanto ababelado. Os anciãos não se entendiam, os mais jovens se ameaçavam e as acusações cruzavam o ar como flechas envenenadas. Apaziguou os ânimos e quis saber os motivos de tamanha balbúrdia.

Continuar lendo
387 Acessos
Plinio Vicente

A pena de mutum

Guardou no farnel do marido uma porção de aaru. Pôs junto uma pena de mutum para lhe dar sorte, pois guardava na alma a angústia de vê-lo partir e o temor de não vê-lo voltar. Era uma longa viagem entre a aldeia e a cidade,

Continuar lendo
516 Acessos
Plinio Vicente

Tentação e pecado

Era visto como um símbolo aarônico, tamanha a sua sabedoria e religiosidade. A solidão da selva o fez apegar-se à fé para enfrentar os demônios que transformavam sua alma em inferno. Com o tempo, novos costumes transformaram suas crenças num suplicio.

Continuar lendo
367 Acessos
Plinio Vicente

A caganeira do Eustáquio

A caganeira do Eustáquio

Eustáquio era o marido imperfeito, daquele que mulher só arruma porque se descuida.Todo sábado ele vestia o terno de brim impecavelmente branco,jantava e metia o pé na direção do salão de baile. Só voltava para casa com o sol batendo

Continuar lendo
2379 Acessos
0 comentários
Plinio Vicente

O judeu ‘paraguaio’

O judeu ‘paraguaio’

Desde menino, como bom carioca, André não dispensava uma feijoada. Cresceu, estudou, se formou e um dia descobriu que a avó materna, que não conheceu, era judia.

Continuar lendo
509 Acessos
0 comentários
Top